quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

A maior fobia do seu PET " Fogos de Artifícios e Trovões" Dicas para aliviar este momento!

imagem divulgação


Aqui em casa eu tenho duas Pet a Angel e a Pipoca.
A Angel não tem reação alguma a trovoes ou fogos, mas a Pipoca, sofre muito, fica transtornada, entra em pânico.
ultimamente, quando temos fogos, trovões, colocamos ela na área de serviço bem escondida, é a única maneira de amenizar o e stress dela.
Mas, pesquisei algumas dicas e quem sabe possam ajudar vocês com seus pets, vou testar algumas.
Confere:



  • Procure um vídeo com o som de fogos de artifício
Coloque esse vídeo de forma que o seu cão possa ouvir, mas em volume baixo, algumas vezes no dia.

Durante a exibição do vídeo, deixe perto do cachorro algo que ele goste muito, como um brinquedo, o biscoitinho preferido dele ou faça um carinho nele. Assim o cão começa a associar os fogos com algo positivo, ao longo dos dias de treino. Isso ajuda a diminuir o medo.

Quando perceber que o seu cão já se acostumou com o barulho do vídeo em baixo volume, comece a aumentar gradualmente o som, sem deixar de associar a algo que o cachorro goste. Assim, ele continua associando o som dos rojões a alguma coisa boa e continua perdendo o medo, com a continuidade dos exercícios.

Se, durante os exercícios, o cachorro demonstrar medo, correr ou se esconder, diminua o volume até que ele fique confortável. Não brigue com ele, mas também não pare de fazer os exercícios. É com muita paciência e treino que o seu cão vai aprender a não ter mais medo dos fogos de artifício.

Repita esse exercício quantas vezes você julgar necessário, até que seu cão consiga ouvir o barulho dos fogos bem alto sem sentir medo. Pode ser uma tarefa repetitiva, mas vai melhorar muito a vida do seu cão, que perde o medo e fica bem mais tranquilo.
Festeje quando ouvir o barulho de trovão ou fogos

  • Escolha um lugar onde o cachorro se sinta seguro
Coloque o cão em um canto da casa onde o som fique abafado.
Procure deixá-lo longe das janelas.
Cuidado apenas para não trancá-lo em seu quarto e esquecer objetos que possam machucá-lo ou que ele possa estragar. Prepare o ambiente antes de colocá-lo ali.
Para completar, faça com que ele fique bastante fatigado durante umas horas antes dos rojões, pois, assim, ele ficará relaxado e poderá até cochilar no seu quarto enquanto os rojões fazem barulho lá fora.
  •  Não pegue o cão no colo se ele ficar com medo dos sons
Pegá-lo no colo não vai ajudar a tirar o medo.

Se o trovão e os fogos de artifício não são coisas ruins e você quer que ele perca o medo, não adianta pegá-lo no colo quando ele se sentir acuado com o barulho, pois esta atitude mostra que o está protegendo de algo que não é bom e só está consentindo, de alguma forma, que ele deve ter razão em ficar amedrontado.

É difícil não fazer mimos e “socorrer” o seu cachorro quando ele está assustado, mas terá que fazer o esforço de deixá-lo quieto se a intenção for tirar o medo dele.
5. Ligue a TV para abafar os sons
Abafar um pouco o som dos fogos é uma boa opção.

Se souber que o dia será de muita festa e fogos como, por exemplo, no Ano Novo, deixe a TV ligada em músicas mais calmas e com volume razoável para que os sons da televisão abafem um pouco o som dos rojões.

Assim, aquele barulho que parece estridente demais para os ouvidos caninos, fica mais suave ao som de músicas.


  • Fechar portões, portas e janelas 
Para evitar que o animal fuja, caso se assuste, é a primeira coisa que deve fazer, visto que em dias de muita festa, o seu animal fugir pode causar muitos problemas.

Em casos que o animal não consegue se adaptar de maneira alguma ou possui um comportamento muito exaltado (é normal ter medo e se esconder, mas não é natural querer agredir a todos ou apresentar outros tipos de sintomas ruins), leve-o ao veterinário para que seja analisado e possa ser realizado o tratamento adequado para livrar-se do medo desses sons.


  •  Tratamentos homeopáticos 
Para casos extremos de medos de animais a sons, mas devem ser indicados somente por especialistas.

  • Medicação

Se o animal tem idade avançada, é naturalmente estressado ou o criador precisa de resultado a curto prazo, uma opção é a medicação supervisionada por veterinário. 
No mercado existem calmantes fitoterápicos, sem contraindicação, e anestésicos controlados.

Adriani Gonçalves

Fonte Agenda PET

Pesquisar este blog